O seu Blog de Psicometria

Tenha acesso à nossa enciclopédia virtual de conhecimento em Psicometria e Análise de Dados

Junte-se a mais de 22.300 membros e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Compartilhe nas Redes Sociais

O que é um teste post hoc?

Bruno Damásio

nov 26, 2021

Alguma vez, durante a sua jornada como pesquisador, já deve ter se perguntado o que é um teste post hoc ou o que significa fazer um teste post hoc.

Testes post-hoc são testes estatísticos que são realizados após o teste de ANOVA para identificar as diferenças significativas entre as médias de diferentes grupos. Eles ajudam a determinar onde as diferenças reais estão localizadas, permitindo que os pesquisadores explorem ainda mais suas descobertas. Existem diversos tipo de teste post hoc e agora vamos ver cada um deles e dicas de qual utilizar de acordo com seus dados.

Qual teste post hoc devo utilizar?

Cada teste post hoc tem sua característica, portanto você deve se atentar aos seus dados para escolher o teste post hoc mais adequado. No SPSS, e outros softwares estatísticos os seguintes testes post-hoc são comumente usados após o teste de Anova.

  1. Tukey: Este teste é aplicável a três ou mais grupos e pressupõe que as variâncias dos grupos são iguais. Melhor usado quando o número de comparações é alto.
  2. Bonferroni: Este teste é aplicável a três ou mais grupos e é conservador, o que significa que ele é menos propenso a erros tipo I (falso positivo), mas também é menos poderoso. Melhor usado quando o número de comparações é baixo.
  3. Scheffe: Este teste é aplicável a três ou mais grupos e é mais poderoso do que o Bonferroni, mas também é menos conservador.
  4. Fisher’s Least Significant Difference (LSD): Este teste é aplicável a dois grupos e pressupõe que as variâncias dos grupos são iguais. Nenhum ajustamento é feito na taxa de erros para comparações múltiplas.
  5. Ryan-Einot-Gabriel-Welsch (REGWQ): Este teste é aplicável a três ou mais grupos e não pressupõe que as variâncias dos grupos são iguais. Não deve ser usado quando o número de participantes por grupo é muito discrepante.
  6. Dunnett T3: Este teste é aplicável a três ou mais grupos. Melhor utilizado quando há heterogeneidade de variância (Heterocedasticidade).

Gostou desse conteúdo? Precisa aprender Análise de dados? Faça parte da Psicometria Online Academy: a maior formação de pesquisadores quantitativos da América Latina. Conheça toda nossa estrutura aqui e nunca mais passe trabalho sozinho(a).

Faça seu cadastro na newsletter para não perder nenhuma postagem!!

Bruno Figueiredo Damásio

Sou Psicólogo, mestre e doutor em Psicologia. Venho me dedicando à Psicometria desde 2007.

Fui professor e chefe do Departamento de Psicometria da UFRJ durante os anos de 2013 a 2020. Fui editor-chefe da revista Trends in Psychology, da Sociedade Brasileira de Psicologia (SBP) e Editor-Associado da Spanish Journal of Psychology, na sub-seção Psicometria e Métodos Quantitativos.

Tenho mais de 50 artigos publicados e mais de 5000 citações, nas melhores revistas nacionais e internacionais.

Compartilhe sua opinião sobre este post

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts sugeridos

Como lidar com os pressupostos da Análise de Variância (ANOVA)?

Qual é a diferença entre covariância e correlação?

Diferenças entre Modelos Lineares e Modelos Lineares Generalizados (GLMs)

Conteúdo

Mais lidos

O que é regressão linear simples?

O que é correlação de Pearson?

O que é o teste de Shapiro-Wilk?

Teste t de Student

Postados recentemente

Curso R para Iniciantes

Como criar gráficos no R com o ggplot2?

Quais pacotes usar na análise fatorial exploratória no R?

Como reestruturar o formato do banco de dados no R?

Deseja se tornar completamente autônomo e independente na análise dos seus dados?

Junte-se a mais de 22.300 membros e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Bruno Figueiredo Damásio

Sou Psicólogo, mestre e doutor em Psicologia. Venho me dedicando à Psicometria desde 2007.

 

Fui professor e chefe do Departamento de Psicometria da UFRJ durante os anos de 2013 a 2020. Fui editor-chefe da revista Trends in Psychology, da Sociedade Brasileira de Psicologia (SBP) e Editor-Associado da Spanish Journal of Psychology, na sub-seção Psicometria e Métodos Quantitativos.

 

Tenho mais de 50 artigos publicados e mais de 5000 citações, nas melhores revistas nacionais e internacionais. Atualmente, me dedico a formação de novos pesquisadores, através da Psicometria Online Academy. Minha missão é ampliar a formação em Psicometria no Brasil e lhe auxiliar a conquistar os seus objetivos profissionais.

Compartilhe sua opinião sobre este post

Posts sugeridos

Como lidar com os pressupostos da Análise de Variância (ANOVA)?

Qual é a diferença entre covariância e correlação?

Diferenças entre Modelos Lineares e Modelos Lineares Generalizados (GLMs)

Categorias