Receba gratuitamente todos os nossos conteúdos.

Fique por dentro das novidades e oportunidades referentes à Psicometria e Análise Quantitativa de Dados.

Método de pesquisa correlacional e experimental

No post de hoje vamos falar de duas abordagens importantes na investigação científica: a pesquisa correlacional e a experimental.

Se você ainda tem dúvidas sobre como diferenciar esses dois tipos de métodos de pesquisa, esse post é para você.

Método de pesquisa correlacional

O método de pesquisa correlacional é um tipo de pesquisa científica que busca entender a relação entre duas ou mais variáveis. Ele é aplicado quando o pesquisador quer saber se há uma relação entre essas variáveis, mas não tem o interesse imediato de estabelecer causa e efeito.

Esse método é útil porque permite ao pesquisador identificar padrões e relações entre as variáveis em uma amostra. Além disso, ele pode ajudar a identificar potenciais variáveis confundidoras que precisam ser controladas em estudos futuros.

A correlação pode ser medida por meio de uma série de técnicas estatísticas, incluindo o coeficiente de correlação de Pearson e a correlação de Spearman. Essas técnicas podem ser usadas para avaliar a força e a direção da relação entre as variáveis.

No entanto, é importante lembrar que a correlação não estabelece causalidade. Embora uma forte correlação entre duas variáveis possa sugerir que elas estão relacionadas, é possível que uma terceira variável não observada esteja influenciando ambas.

Exemplo de pesquisa correlacional

Um exemplo de pesquisa correlacional, é um estudo que correlaciona a quantidade de água consumida por dia com o risco de doença cardíaca, a correlação pode indicar que pessoas que bebem mais água têm menos risco de doença cardíaca. No entanto, outras variáveis, como a dieta ou a atividade física, podem estar influenciando tanto a quantidade de água consumida quanto o risco de doença cardíaca.

Outro exemplo de pesquisa correlacional seria uma investigação sobre a relação entre o tempo de uso de mídias sociais e o nível de ansiedade em adolescentes. Um pesquisador pode coletar dados sobre o tempo que os adolescentes passam em mídias sociais e seu nível de ansiedade, utilizando um questionário padronizado.

Ao analisar esses dados, o pesquisador pode encontrar uma correlação positiva moderada entre o tempo de uso de mídias sociais e o nível de ansiedade, sugerindo que quanto mais tempo os adolescentes passam em mídias sociais, maior é o nível de ansiedade.

Lembre-se de sempre considerar outras variáveis que possam influenciar a relação entre as variáveis estudadas. Afinal, é possível que a correlação entre o tempo de uso de mídias sociais e a ansiedade seja influenciada por outras variáveis, como a qualidade do sono ou o nível de estresse escolar.

Método de pesquisa experimental

O método de pesquisa experimental é um tipo de pesquisa científica que busca estabelecer uma relação causal entre duas ou mais variáveis. Ele é aplicado quando o pesquisador quer entender se uma variável causa ou influencia outra variável.

Esse método é útil porque permite ao pesquisador controlar as variáveis independentes e testar o efeito delas na variável dependente. Isso significa que o pesquisador pode estabelecer uma relação de causa e efeito mais precisa entre as variáveis estudadas.

A pesquisa experimental envolve a seleção aleatória de participantes, atribuição aleatória de participantes a grupos experimentais e de controle e manipulação de variáveis independentes em um grupo experimental. Em seguida, o pesquisador compara a variável dependente em ambos os grupos para determinar se houve um efeito significativo da variável independente.

Exemplo de pesquisa experimental

Um exemplo de pesquisa experimental seria um estudo sobre o efeito da música na concentração de estudantes universitários. O pesquisador selecionaria aleatoriamente os participantes e os atribuiria aleatoriamente a um grupo experimental (que ouve música) e um grupo de controle (que não ouve música).

Em seguida, o pesquisador mediria a concentração dos participantes durante uma tarefa específica e compararia os resultados entre os dois grupos. Com base nesses resultados, o pesquisador pode concluir se a música tem um efeito significativo na concentração dos estudantes universitários.

No entanto, é importante lembrar que a pesquisa experimental pode ser limitada em alguns casos. Por exemplo, a manipulação de variáveis independentes em um ambiente controlado pode não refletir a complexidade do mundo real. Além disso, a seleção aleatória de participantes pode não ser possível em algumas situações, como em estudos em animais ou em grupos específicos de pessoas.

A dica é sempre controlar cuidadosamente as variáveis em um estudo experimental. Afinal, seria constrangedor descobrir que o efeito observado na variável dependente foi devido a uma variável independente não intencional, como o café fornecido apenas ao grupo experimental!

Espero que este post tenha ajudado a esclarecer a diferença entre pesquisa correlacional e pesquisa experimental.

Gostou desse conteúdo? Precisa aprender Análise de dados? Faça parte da Psicometria Online Academy: a maior formação de pesquisadores quantitativos da América Latina. Conheça toda nossa estrutura aqui e nunca mais passe trabalho sozinho(a).

BRUNO FIGUEIREDO DAMÁSIO

Sou Psicólogo, mestre e doutor em Psicologia. Venho me dedicando à Psicometria desde 2007.

Fui professor e chefe do Departamento de Psicometria da UFRJ durante os anos de 2013 a 2020. Fui editor-chefe da revista Trends in Psychology, da Sociedade Brasileira de Psicologia (SBP) eEditor-Associado da Spanish Journal of Psychology, na sub-seção Psicometri e Métodos Quantitativos.

Tenho mais de 50 artigos publicados e mais de 3000 citações, nas melhores revistas nacionais e internacionais. Atualmente, me dedico a formação de novos pesquisadores, através da Psicometria Online Academy. Minha missão é ampliar a formação em Psicometria no Brasil e lhe auxiliar a conquistar os seus objetivos profissionais.

Deseja se tornar completamente autônomo e independente na análise dos seus dados?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja mais

Posts relacionados

Covariância e correlação

Covariância e correlação

Se você é estudante, professor ou pesquisador você está no lugar certo. Hoje, vamos mergulhar em um conceito fundamental: covariância e correlação. Na análise de dados, entender a relação entre

Diferenças entre Modelos Lineares e Modelos Lineares Generalizados (GLMs)

Diferenças entre Modelos Lineares e Modelos Lineares Generalizados (GLMs)

Em análise de dados, Modelos Lineares (LMs) e Modelos Lineares Generalizados (GLMs) são duas técnicas fundamentais que desempenham papéis cruciais na modelagem e interpretação de dados. Embora ambos compartilhem o

Explorando as etapas da análise de dados

Explorando as etapas da análise de dados

No vasto universo da análise de dados, encontramos duas vertentes cruciais: as estatísticas descritivas e as estatísticas inferenciais. Cada uma desempenha um papel distintivo na interpretação e compreensão de conjuntos

Breve check list para escrita de artigo acadêmico

Breve check list para escrita de artigo acadêmico

Você está pronto para embarcar em uma jornada de descoberta acadêmica? Seja você um pesquisado experiente ou iniciante, ter um guia para escrever um artigo de pesquisa é essencial para

O que são médias marginais?

O que são médias marginais?

Ao começar com estatísticas descritivas tradicionais, como as médias brutas, reconhecemos a necessidade de ir além, considerando possíveis viéses decorrentes de variações no número de observações e covariâncias. A pergunta-chave

Covariância e correlação

Covariância e correlação

Se você é estudante, professor ou pesquisador você está no lugar certo. Hoje, vamos mergulhar em um conceito fundamental: covariância e correlação. Na análise de dados, entender a relação entre

Diferenças entre Modelos Lineares e Modelos Lineares Generalizados (GLMs)

Diferenças entre Modelos Lineares e Modelos Lineares Generalizados (GLMs)

Em análise de dados, Modelos Lineares (LMs) e Modelos Lineares Generalizados (GLMs) são duas técnicas fundamentais que desempenham papéis cruciais na modelagem e interpretação de dados. Embora ambos compartilhem o

Explorando as etapas da análise de dados

Explorando as etapas da análise de dados

No vasto universo da análise de dados, encontramos duas vertentes cruciais: as estatísticas descritivas e as estatísticas inferenciais. Cada uma desempenha um papel distintivo na interpretação e compreensão de conjuntos

Breve check list para escrita de artigo acadêmico

Breve check list para escrita de artigo acadêmico

Você está pronto para embarcar em uma jornada de descoberta acadêmica? Seja você um pesquisado experiente ou iniciante, ter um guia para escrever um artigo de pesquisa é essencial para

O que são médias marginais?

O que são médias marginais?

Ao começar com estatísticas descritivas tradicionais, como as médias brutas, reconhecemos a necessidade de ir além, considerando possíveis viéses decorrentes de variações no número de observações e covariâncias. A pergunta-chave

Cadastre-se para ser notificado com o link das aulas ao vivo:

Módulo 4: Redes neurais artificiais

• Introdução a Deep Learning

• Avaliando sistemas de Deep Learning

• Redes Neurais feitas (sem programação) no SPSS

• Aula bônus: O futuro da IA na Sociedade

• Aula bônus: Dois Estudos de Caso 

Módulo 3: Interpretar e reportar resultados

• Gerar, interpretar e reportar resultados em Machine Learning

Módulo 2: Criando o seu sistema

• Selecionando algoritmos e métodos 
• Práticas de Machine Learning (Sem programação): Decision Tree (JASP), Linear Discriminant Classification (JASP) e Plataforma ORANGE
• Aula Bônus: Avaliação Psicológica e Machine Learning
• Aula Bônus: Livros e Cursos recomendados  
• Aula Bônus: Entrevista com Cientista de Dados focado na área da Saúde

Módulo 1: O que é Machine Learning

• O que é Machine Learning?
• Como a máquina aprende?
• Machine Learning para Psicometria e Pesquisa Quantitativa (pesquisas comentadas)
• Tipos de Machine Learning (Supervisionado e Não-supervisionado)
• Práticas de Machine Learning (Sem programação): JASP e SPSS
Aula Bônus: Filosofia da Inteligência Artificial
• Aula Bônus: Entrevista com Cientista de Dados graduado em Psicologia
• Aula bônus: Estudo de Caso sobre Redução Dimensional 

Preencha abaixo para
participar gratuitamente

Fique tranquilo, não utilizaremos suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM. Os dados coletados são tratados nos termos da Lei Geral de Proteção de Dados e você pode se descadastrar da nossa lista de contatos a qualquer momento.