O seu Blog de Psicometria

Tenha acesso à nossa enciclopédia virtual de conhecimento em Psicometria e Análise de Dados

Junte-se a mais de 22.300 membros e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Compartilhe nas Redes Sociais

Análise de moderação: Como identificar potenciais variáveis moderadoras

Alex França

nov 18, 2022

Olá pessoal! Este post é baseado no Editorial escrito por Memon e colegas (2019), publicado no Journal of Applied Structural Equation Modeling. Nele os autores escrevem sobre algumas questões importantes relacionadas a análise de moderação e fornecem diretrizes para execução desta análise.

Para o post de hoje, fizemos um recorte e vamos falar sobre como identificar potenciais variáveis que podem ser tratadas como moderadoras em sua análise.

Os autores discorrem que a escolha dos moderadores deve ser baseada em fundamentos teóricos com considerável suporte da literatura e não apenas motivada por achismo. E principalmente, não deve ser feito com base na abordagem de ‘tentativa e erro’, assumindo que levaria a uma contribuição mais significativa (seja para uma pesquisa de doutorado ou publicação).

Como ponto inicial, os autores sugerem uma revisão cuidadosa dos artigos relevantes publicados em revistas conceituadas, especialmente as seções sobre limitações e direções futuras do estudo, para identificar potenciais moderadores. Achados inconsistentes em estudos anteriores sobre o efeito do mesmo também podem ser bem ricos para identificação de lacunas na literatura. Podem também ser utilizadas revisões sistemáticas da literatura e a metanálise, já publicadas, para atingir esse objetivo.

Além disso, o uso do fator contextual de um campo diferente com uma explicação teórica construtiva (por exemplo, usando gerações da sociologia em um estudo de marketing) fornece uma base forte para incorporar o referido fator no estudo como moderador. Tal investigação e descobertas subsequentes marcam uma contribuição substancial para o corpo de conhecimento existente.

Por outro lado, nada impede que variáveis ​​moderadoras possam ser testadas para fins de novos insights teóricos. Por exemplo, Hauff, Richter e Tressin (2015) preencheram uma lacuna de pesquisa ao investigar como a cultura nacional modera a influência de diferentes características do trabalho na satisfação no trabalho. Todavia, os autores reforçam que é necessário um forte suporte teórico para justificar a inclusão de uma variável moderadora em um modelo existente ou exploratório. Deve haver argumentos teóricos sobre por que a inclusão de determinado moderador resultará em uma melhor explicação do fenômeno sob investigação.

Ao final, os autores deixam o recado: “Nunca devemos fazer pesquisas mecanicamente como se houvesse um modelo de resposta para cada pergunta. Também não existe uma fórmula que resolva todos os problemas. Realizar análises de moderação para tornar o modelo complexo e encontrar a maneira mais fácil de fazer as coisas sem uma compreensão fundamental pode ser comparado a um naufrágio“.

Com esse recado fechamos o post de hoje, que nós faz também pensar além da análise de moderação.

Gostou desse conteúdo? Precisa aprender Análise de dados? Faça parte da Psicometria Online Academy: a maior formação de pesquisadores quantitativos da América Latina. Conheça toda nossa estrutura aqui e nunca mais passe trabalho sozinho(a).

Bruno Figueiredo Damásio

Sou Psicólogo, mestre e doutor em Psicologia. Venho me dedicando à Psicometria desde 2007.

Fui professor e chefe do Departamento de Psicometria da UFRJ durante os anos de 2013 a 2020. Fui editor-chefe da revista Trends in Psychology, da Sociedade Brasileira de Psicologia (SBP) e Editor-Associado da Spanish Journal of Psychology, na sub-seção Psicometria e Métodos Quantitativos.

Tenho mais de 50 artigos publicados e mais de 5000 citações, nas melhores revistas nacionais e internacionais.

Compartilhe sua opinião sobre este post

Uma resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts sugeridos

Como lidar com os pressupostos da Análise de Variância (ANOVA)?

Qual é a diferença entre covariância e correlação?

Diferenças entre Modelos Lineares e Modelos Lineares Generalizados (GLMs)

Conteúdo

Mais lidos

O que é regressão linear simples?

O que é correlação de Pearson?

O que é o teste de Shapiro-Wilk?

Teste t de Student

Postados recentemente

Curso R para Iniciantes

Como criar gráficos no R com o ggplot2?

Quais pacotes usar na análise fatorial exploratória no R?

Como reestruturar o formato do banco de dados no R?

Deseja se tornar completamente autônomo e independente na análise dos seus dados?

Junte-se a mais de 22.300 membros e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Bruno Figueiredo Damásio

Sou Psicólogo, mestre e doutor em Psicologia. Venho me dedicando à Psicometria desde 2007.

 

Fui professor e chefe do Departamento de Psicometria da UFRJ durante os anos de 2013 a 2020. Fui editor-chefe da revista Trends in Psychology, da Sociedade Brasileira de Psicologia (SBP) e Editor-Associado da Spanish Journal of Psychology, na sub-seção Psicometria e Métodos Quantitativos.

 

Tenho mais de 50 artigos publicados e mais de 5000 citações, nas melhores revistas nacionais e internacionais. Atualmente, me dedico a formação de novos pesquisadores, através da Psicometria Online Academy. Minha missão é ampliar a formação em Psicometria no Brasil e lhe auxiliar a conquistar os seus objetivos profissionais.

Compartilhe sua opinião sobre este post

Posts sugeridos

Como lidar com os pressupostos da Análise de Variância (ANOVA)?

Qual é a diferença entre covariância e correlação?

Diferenças entre Modelos Lineares e Modelos Lineares Generalizados (GLMs)

Categorias