O seu Blog de Psicometria

Tenha acesso à nossa enciclopédia virtual de conhecimento em Psicometria e Análise de Dados

Junte-se a mais de 22.300 membros e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Compartilhe nas Redes Sociais

O que é um teste paramétrico?

Bruno Damásio

jun 13, 2021

Você já deve ter passado por isso, na hora de escolher um teste, você fica em dúvidas se escolhe uma versão paramétrica ou não paramétrica. Muitas vezes alguém irá dizer que o paramétrico é melhor e mais confiável que o não paramétricos. Isso é verdade? Neste artigo, vamos tentar entender o que é um teste paramétrico e quando devemos usá-los.

Existem duas definições para testes ou estatísticas paramétricas:

  • São técnicas que tem como pressuposto que os dados sigam uma distribuição específica, como a distribuição normal.

  • São técnicas que seguem um modelo ou estrutura fixa, como um modelo linear.

Diversas técnicas precisam que os dados sigam distribuição específicas. Em geral, na psicometria, temos muitas técnicas voltadas para dados com distribuição normal, como os testes-t e as análises fatoriais.

Pela segunda definição, temos estatísticas que são calculadas através de parâmetros específicos e rígidos. Por exemplo, na regressão linear ou correlação de Pearson, os dados serão analisados de acordo com a equação de uma reta, que tem uma estrutura fixa: temos parâmetros para definir onde a reta intercepta o eixo y intercepto (β0) e para definir o ângulo da reta (β1X1). Você pode descobrir mais sobre a fórmula da regressão no nosso artigo sobre Regressão Linear.

São exemplos de testes paramétricos:

  • Teste-t

  • ANOVA

  • Correlação de Pearson

  • Regressão Linear

  • Regressão Logística

Quais as vantagens de um teste paramétrico?

Existem duas vantagens importantes para os testes paramétricos: eles são mais interpretáveis e são estatisticamente mais poderosos. Como eles tem um modelo bem definido, fica mais fácil de interpretar – nós entendemos bem como uma linha ou uma distribuição normal funciona. E, como eles tem distribuições definidas, eles são mais poderosos, exigindo menos casos para detectar um efeito.

Apesar disso, você deve evitar os testes paramétricos quando houver quebra de pressupostos, já que isso deixará sua análise menos rigorosa e menos confiável. É importante observar em cada teste quais os pressupostos e o que acontece quando os quebramos para tomar a decisão de evitá-los.

Agora você vai saber identificar um teste paramétrico. Você também sabe que se seus dados não seguirem todos os pré-requisitos de um teste paramétrico, você pode procurar uma alternativa não paramétrica. Nós falamos mais sobre isso, aqui!

Gostou desse conteúdo? Precisa aprender Análise de dados? Faça parte da Psicometria Online Academy: a maior formação de pesquisadores quantitativos da América Latina. Conheça toda nossa estrutura aqui e nunca mais passe trabalho sozinho(a).

Bruno Figueiredo Damásio

Sou Psicólogo, mestre e doutor em Psicologia. Venho me dedicando à Psicometria desde 2007.

Fui professor e chefe do Departamento de Psicometria da UFRJ durante os anos de 2013 a 2020. Fui editor-chefe da revista Trends in Psychology, da Sociedade Brasileira de Psicologia (SBP) e Editor-Associado da Spanish Journal of Psychology, na sub-seção Psicometria e Métodos Quantitativos.

Tenho mais de 50 artigos publicados e mais de 5000 citações, nas melhores revistas nacionais e internacionais.

Compartilhe sua opinião sobre este post

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts sugeridos

Como lidar com os pressupostos da Análise de Variância (ANOVA)?

Qual é a diferença entre covariância e correlação?

Diferenças entre Modelos Lineares e Modelos Lineares Generalizados (GLMs)

Conteúdo

Mais lidos

O que é regressão linear simples?

O que é correlação de Pearson?

O que é o teste de Shapiro-Wilk?

Teste t de Student

Postados recentemente

Curso R para Iniciantes

Como criar gráficos no R com o ggplot2?

Quais pacotes usar na análise fatorial exploratória no R?

Como reestruturar o formato do banco de dados no R?

Deseja se tornar completamente autônomo e independente na análise dos seus dados?

Junte-se a mais de 22.300 membros e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Bruno Figueiredo Damásio

Sou Psicólogo, mestre e doutor em Psicologia. Venho me dedicando à Psicometria desde 2007.

 

Fui professor e chefe do Departamento de Psicometria da UFRJ durante os anos de 2013 a 2020. Fui editor-chefe da revista Trends in Psychology, da Sociedade Brasileira de Psicologia (SBP) e Editor-Associado da Spanish Journal of Psychology, na sub-seção Psicometria e Métodos Quantitativos.

 

Tenho mais de 50 artigos publicados e mais de 5000 citações, nas melhores revistas nacionais e internacionais. Atualmente, me dedico a formação de novos pesquisadores, através da Psicometria Online Academy. Minha missão é ampliar a formação em Psicometria no Brasil e lhe auxiliar a conquistar os seus objetivos profissionais.

Compartilhe sua opinião sobre este post

Posts sugeridos

Como lidar com os pressupostos da Análise de Variância (ANOVA)?

Qual é a diferença entre covariância e correlação?

Diferenças entre Modelos Lineares e Modelos Lineares Generalizados (GLMs)

Categorias