O seu Blog de Psicometria

Tenha acesso à nossa enciclopédia virtual de conhecimento em Psicometria e Análise de Dados

Junte-se a mais de 22.300 membros e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Compartilhe nas Redes Sociais

Compreendendo os índices de validade de conteúdo

Alex França

jul 9, 2023

Ao desenvolver qualquer tipo de teste psicológico, é crucial garantir que eles meçam o que pretendem avaliar. Nesse contexto, entra em cena o conceito de evidência de validade de conteúdo.

A evidência de validade de conteúdo é uma das várias fontes de evidência utilizadas para avaliar a validade de um teste.

Essa análise envolve a revisão cuidadosa dos itens, das tarefas ou das questões do teste para garantir que eles sejam relevantes, abrangentes e alinhados com os objetivos da avaliação.

Nesse post vamos abordar três métodos que podem ser utilizados para avaliar a validade de conteúdo de um teste:

1) Índice de Validade de Conteúdo (IVC), 2) Razão de Validade de Conteúdo (RVC) e 3) Coeficiente de Validade de Conteúdo (CVC).

Índice de Validade de Conteúdo – IVC

Podemos definir o Índice de Validade de Conteúdo (IVC) como a proporção ou porcentagem de juízes em concordância sobre a relevante teórica do item.

Como funciona o IVC

Para calcular o IVC, é necessário reunir um grupo de especialistas no domínio específico do construto em questão. Esses especialistas avaliam cada item do instrumento com base na relevancia teórica do item de acordo com o construto que está sendo estudado.

Portanto, devemos solicitar aos especialistas que classifiquem a relevância de cada item do instrumento. Geralmente usamos uma escala de 4 pontos para essa avaliação.

1 = item não relevante;

2 = item necessita de revisão para ser avaliada a relevância;

3 = item relevante, necessita de pequenas alterações;

4 = item absolutamente relevante.

O cálculo do IVC basta somar as respostas 3 e 4 dos especialistas e dividir o resultado dessa soma pelo número total de respostas obtidas para o item.

Nesse nosso outro post, você tem todos os detalhes sobre como como calcular o índice de validade de conteúdo.

Razão de Validade de Conteúdo – RVC

A Razão de Validade de Conteúdo é uma outra técnica utilizada para avaliar a validade de um instrumento psicológico em relação ao conteúdo das questões ou itens.

Nela, os especialistas avaliam a relevância do item em 3 categorias:
▪ Desnecessário
▪ Útil, mas não essencial
▪ Essencial

A ideia central desse é que permaneçam no teste os itens que tenham alto grau de concordância na categoria ‘Essencial.

Como funciona a Razão de Validade de Conteúdo

Para calcular a Razão de Validade de Conteúdo, os especialistas revisam todo o instrumento e atribuem pontuações para cada item, indicando sua relevância e adequação ao construto que está sendo medido.

Essas pontuações geralmente são baseadas em uma escala, como uma escala Likert, em que os especialistas atribuem valores que refletem o grau de relevância de cada item (desnecessário, útil, mas não essencial e essencial).

Após a coleta das pontuações de todos os especialistas, a Razão de Validade de Conteúdo é calculada pela pontuações atribuídas como essencial e o número de juízes a todos os itens do instrumento.

Você pode utilizar essa formula:

Valores variam de -1 (Discordância total) a +1 (Concordância total). Esse valor é então interpretado como uma medida da validade geral do conteúdo do instrumento.

Coeficiente de Validade de Conteúdo – CVC

O Coeficiente de Validade de Conteúdo é uma técnica que consideramos mais completa do Índice de Validade de Conteúdo e a Razão de Validade de Conteúdo, pois fornece medidas individuais dos itens relacionadas a três critérios: clareza da linguagem, pertinência prática e relevância teórica.

Outro ponto em que o CVC se destacada dentre os outros dois métodos anteriores, é que o calculo leva em consideração o viés dos especialistas. Vamos ver em mais detalhes como o CVC funciona.

Como funciona o CVC

Para calcular o Coeficiente de Validade de Conteúdo, é necessário que os juízes especialistas revisem cada item do instrumento e atribuam pontuações que refletem o grau de clareza da linguagem, pertinência prática e relevância teórica de cada item, geralmente utilizando uma escala de pontuação Likert de 1 a 5.

O Coeficiente de Validade de Conteúdo é calculado pela fórmula:

Coeficiente de Validade de Conteúdo = (média das pontuações dos especialistas) / (Número máximo possível de pontuação) – viés.

Onde, viés = (1/número de juízes)número de juízes

Esse coeficiente é interpretado como uma medida da validade do conteúdo para cada item e para cada um dos critérios, indicando o quanto os itens refletem adequadamente o construto que está sendo medido.

Principais diferenças entre os três métodos: IVC x RVC x CVC

– O Índice de Validade de Conteúdo reflete a proporção de especialistas que consideram cada item relevante.

– Razão de Validade de Conteúdo permanecem no teste os itens que apresentam alto grau de concordância na categoria ‘Essencial’

– Coeficiente de Validade de Conteúdo reflete o grau de clareza da linguagem, pertinência prática e relevância teórica de cada item.

FAQs – Validade de Conteúdo

Como selecionar especialistas para a avaliação de conteúdo?

Geralmente são profissionais com formação acadêmica e experiência prática relacionada ao tema. Portanto, você pode selecionar os especialistas por meio das publicações, currículo Lattes e da trajetória profissional.

Quantos especialistas são necessário para a avaliação de conteúdo?

A literatura recomenda de três a cinco juízes. Sendo que a qualidade dos juízes, ou seja, a expertize deles relacionadas ao tema é extremamente importante. Pois, esses juízes avaliarão a utilizade, clareza dos itens, relevância prática, etc e portanto, precisam dominar o tema do teste.

Qual é o valor mínimo aceitável para os métodos citados?

Geralmente, busca-se um coeficiente mais alto, indicando uma maior validade do conteúdo do instrumento. Todavia, a literatura traz como referência o valor igual ou superior a 0.80 para qualquer um dos métodos que abordamos.

Posso utilizar uma combinação de métodos, por exemplo usar o Coeficiente de Validade de Conteúdo em conjunto com o Índice de Validade de Conteúdo e a Razão de Validade de Conteúdo?

Sim, é possível mas não é necessário combinar os métodos de validade de conteúdo. A resposta para essa pergunta ficará mais clara a seguir.

Dentre os três métodos, qual seria a melhor escolha?

Os três métodos são adequados. Porém, o Coeficiente de Validade de Conteúdo fornece coeficientes sobre cada item para três critérios avaliados. Além disso, o calculo leva em consideração o viés dos especialistas. Portanto é mais completo do que o IVC e o RVC, sendo desnessário o uso combinado com Índice de Validade de Conteúdo e a Razão de Validade de Conteúdo.

Conclusão

O Índice de Validade de Conteúdo, Razão de Validade de Conteúdo e o Coeficiente de Validade de Conteúdo são técnicas valiosas que contribuem para a qualidade dos itens e do instrumento como um todo.

Compreender as diferenças entre essas técnicas permite uma aplicação mais adequada, fortalecendo assim a validade dos instrumentos utilizados na prática.

Gostou desse conteúdo? Precisa aprender Análise de dados? Faça parte da Psicometria Online Academy: a maior formação de pesquisadores quantitativos da América Latina. Conheça toda nossa estrutura aqui e nunca mais passe trabalho sozinho(a).

Bruno Figueiredo Damásio

Sou Psicólogo, mestre e doutor em Psicologia. Venho me dedicando à Psicometria desde 2007.

Fui professor e chefe do Departamento de Psicometria da UFRJ durante os anos de 2013 a 2020. Fui editor-chefe da revista Trends in Psychology, da Sociedade Brasileira de Psicologia (SBP) e Editor-Associado da Spanish Journal of Psychology, na sub-seção Psicometria e Métodos Quantitativos.

Tenho mais de 50 artigos publicados e mais de 5000 citações, nas melhores revistas nacionais e internacionais.

Compartilhe sua opinião sobre este post

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts sugeridos

Por que aprender a programar em R?

Diferenças entre Modelos Lineares e Modelos Lineares Generalizados (GLMs)

Explorando as etapas da análise de dados

Conteúdo

Mais lidos

O que é regressão linear simples?

O que é correlação de Pearson?

O que é o teste de Shapiro-Wilk?

Teste t de Student

Postados recentemente

Curso R para Iniciantes

Como criar gráficos no R com o ggplot2?

Quais pacotes usar na análise fatorial exploratória no R?

Como reestruturar o formato do banco de dados no R?

Deseja se tornar completamente autônomo e independente na análise dos seus dados?

Junte-se a mais de 22.300 membros e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Bruno Figueiredo Damásio

Sou Psicólogo, mestre e doutor em Psicologia. Venho me dedicando à Psicometria desde 2007.

 

Fui professor e chefe do Departamento de Psicometria da UFRJ durante os anos de 2013 a 2020. Fui editor-chefe da revista Trends in Psychology, da Sociedade Brasileira de Psicologia (SBP) e Editor-Associado da Spanish Journal of Psychology, na sub-seção Psicometria e Métodos Quantitativos.

 

Tenho mais de 50 artigos publicados e mais de 5000 citações, nas melhores revistas nacionais e internacionais. Atualmente, me dedico a formação de novos pesquisadores, através da Psicometria Online Academy. Minha missão é ampliar a formação em Psicometria no Brasil e lhe auxiliar a conquistar os seus objetivos profissionais.

Compartilhe sua opinião sobre este post

Posts sugeridos

Por que aprender a programar em R?

Diferenças entre Modelos Lineares e Modelos Lineares Generalizados (GLMs)

Explorando as etapas da análise de dados

Categorias