O seu Blog de Psicometria

Tenha acesso à nossa enciclopédia virtual de conhecimento em Psicometria e Análise de Dados

Junte-se a mais de 22.300 membros e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Compartilhe nas Redes Sociais

O que é fidedignidade de teste-reteste

Alex França

abr 24, 2023

Quando se trata de avaliar a confiabilidade de medidas e instrumentos de pesquisa, a fidedignidade de teste-reteste surge como uma alternativa para avaliar a consistência dos resultados de um teste ao longo do tempo. Neste post, vamos abordar o que é a fidedignidade de teste-reteste, os fatores que podem afetar a fidedignidade teste-reteste e meios de contornar essas limitações.

Vamos lá!

Fidedignidade teste-reteste é um tipo de medida de confiabilidade de testes psicológicos, que tem como objetivo avaliar a estabilidade ou consistência dos resultados de um teste ao longo do tempo.

A ideia é verificar se os resultados obtidos são semelhantes nas duas ocasiões, ou seja, se há uma alta correlação entre as pontuações obtidas pelos indivíduos em ambas as aplicações.

Pense, por exemplo, em uma balança. Se você se pesa na mesma balança duas vezes, na mesma hora, você espera que o peso obtido seja igual ou muito parecido. Isso significa que a balança está estável o que é um indicativo de confiabilidade do resultado. Por outro lado, se ao se pesar na mesma balança, no mesmo momento, o peso variar muito, há imprecisão na medida. Logo a balança não é confiável.

Na fidedignidade teste-reteste é a mesma coisa. Isso significa que se uma pessoa realizar o mesmo teste em diferentes momentos, as suas pontuações devem ser semelhantes em ambas as ocasiões. À esse fenômeno,da-se o nome de estabilidade temporal. A estabilidade temporal refere-se à consistência das medidas ao longo do tempo, medida por meio do teste-reteste.

Como determinar a fidedignidade teste-reteste

De acordo com Zanon e Hauck Filho (2015) é possível aferir a fidedignidade teste-reteste por meio do calculo de correlação entre as aplicações do instrumento. O cálculo da correlação entre as aplicações produz um coeficiente que permite avaliar o nível de flutuação e estabilidade dos escores.

Se houver uma alta correlação entre as pontuações obtidas nas duas aplicações, isso indica que o teste é confiável. De maneira geral, quando um teste com alta fidedignidade é repetido, é comum que os coeficientes de correlação obtidos estejam acima de 0,80, o que indica uma manutenção considerável dos valores dos escores entre T1 e T2.

Quanto menor for o coeficiente de correlação, menor será a correspondência entre os escores obtidos em T1 e T2, e maior será a parcela de variância de erro.

Fatores que influenciam na fidedignidade teste-reteste

É importante ressaltar que alguns fatores podem afetar a fidedignidade teste-reteste, em especial o tempo entre as aplicações. O intervalo de tempo entre as aplicações do teste desempenha um papel crucial no cálculo do coeficiente de correlação. Quando o teste é repetido em um curto intervalo de dias ou semanas, o coeficiente tende a ser mais elevado. Isso porque o efeito de memória desempenha um papel importante. Ou seja, você tende a ‘repetir’ as mesmas informações dadas por lembrar do que respondeu anteriormente.

Além disso, mudanças relacionadas ao desenvolvimento e aprendizagem podem ocorrer durante o período entre as aplicações, afetando os escores obtidos no segundo teste. Por exemplo, se um ditado for repetido para crianças do ensino fundamental em um intervalo de três semanas, é mais provável que haja uma variação menor nos resultados do que se o mesmo ditado fosse repetido em um intervalo de um ano.

O estado de humor do participante também pode influenciar na teste-reteste.  Por exemplo, se um participante for vítima de um assalto pouco antes da reaplicação de um teste que avalia o nível de ansiedade, é muito provável que o seu escore de ansiedade esteja elevado e apresente pouca relação com o escore anterior – desde que não se trate de uma pessoa com altos escores de ansiedade pré-existentes.

Outra limitação da fidedignidade teste-reteste é que ela pode ser afetada por mudanças no ambiente em que o teste é aplicado e a falta de padronização da aplicação. Mudanças no ambiente podem trazer viés para os escores dos testes assim como o teste ser aplicado de maneira diferente nas duas ocasiões. Por isso, determinar o melhor momento para aplicar o reteste é uma das tarefas mais complexas que o pesquisador irá se deparar.

Estratégias para controlar as limitações do teste-reteste

Algumas estratégias para controlar as limitações do teste-reteste incluem: a analisar os prós e contras em reduzir o tempo entre as medidas de acordo com o construto avaliado, garantir que as condições da medição sejam as mesmas em ambas as medidas, utilizar perguntas para o controle de variáveis confundidoras, treinar e padronizar a aplicação do teste.

Além disso, é importante reconhecer que o teste-reteste é apenas uma das várias medidas de fidedignidade disponíveis, e outras medidas podem ser usadas em conjunto para uma avaliação mais completa e confiável da fidedignidade da medida.

Como leitura complementar, recomendamos o artigo de Polit (2014) para aprimorar o seu estudo de fidedignidade baseado no teste-reste.

Gostou desse conteúdo? Precisa aprender Análise de dados? Faça parte da Psicometria Online Academy: a maior formação de pesquisadores quantitativos da América Latina. Conheça toda nossa estrutura aqui e nunca mais passe trabalho sozinho(a).

Referências

Zanon & Hauck Filho (2015). Fidedignidade. In. Hutz, C., Bandeira, D. & Trentini, C. Psicometria [recurso eletrônico]. Porto Alegre : Artmed, 2015

Polit, D.F. (2014). Getting serious about test–retest reliability: a critique of retest research and some recommendations. Qual Life Res 23, 1713–1720. https://doi.org/10.1007/s11136-014-0632-9

Bruno Figueiredo Damásio

Sou Psicólogo, mestre e doutor em Psicologia. Venho me dedicando à Psicometria desde 2007.

Fui professor e chefe do Departamento de Psicometria da UFRJ durante os anos de 2013 a 2020. Fui editor-chefe da revista Trends in Psychology, da Sociedade Brasileira de Psicologia (SBP) e Editor-Associado da Spanish Journal of Psychology, na sub-seção Psicometria e Métodos Quantitativos.

Tenho mais de 50 artigos publicados e mais de 5000 citações, nas melhores revistas nacionais e internacionais.

Compartilhe sua opinião sobre este post

Uma resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts sugeridos

Por que aprender a programar em R?

Diferenças entre Modelos Lineares e Modelos Lineares Generalizados (GLMs)

Explorando as etapas da análise de dados

Conteúdo

Mais lidos

O que é regressão linear simples?

O que é correlação de Pearson?

O que é o teste de Shapiro-Wilk?

Teste t de Student

Postados recentemente

Curso R para Iniciantes

Como criar gráficos no R com o ggplot2?

Quais pacotes usar na análise fatorial exploratória no R?

Como reestruturar o formato do banco de dados no R?

Deseja se tornar completamente autônomo e independente na análise dos seus dados?

Junte-se a mais de 22.300 membros e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Bruno Figueiredo Damásio

Sou Psicólogo, mestre e doutor em Psicologia. Venho me dedicando à Psicometria desde 2007.

 

Fui professor e chefe do Departamento de Psicometria da UFRJ durante os anos de 2013 a 2020. Fui editor-chefe da revista Trends in Psychology, da Sociedade Brasileira de Psicologia (SBP) e Editor-Associado da Spanish Journal of Psychology, na sub-seção Psicometria e Métodos Quantitativos.

 

Tenho mais de 50 artigos publicados e mais de 5000 citações, nas melhores revistas nacionais e internacionais. Atualmente, me dedico a formação de novos pesquisadores, através da Psicometria Online Academy. Minha missão é ampliar a formação em Psicometria no Brasil e lhe auxiliar a conquistar os seus objetivos profissionais.

Compartilhe sua opinião sobre este post

Posts sugeridos

Por que aprender a programar em R?

Diferenças entre Modelos Lineares e Modelos Lineares Generalizados (GLMs)

Explorando as etapas da análise de dados

Categorias