O seu Blog de Psicometria

Tenha acesso à nossa enciclopédia virtual de conhecimento em Psicometria e Análise de Dados

Junte-se a mais de 22.300 membros e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Compartilhe nas Redes Sociais

O que é Análise Paralela?

Alex França

jun 17, 2022

Quando estamos em busca de evidências de validade de um instrumento usualmente realizamos Análises Fatoriais. Durante a execução de uma Análise Fatorial Exploratória uma das decisões cruciais está na definição de quantos fatores devem ser retidos.

Tendo em vista que uma extração inadequada impossibilita a interpretação dos resultados de maneira apropriada, duas situações podem ocorrer:

1) a superestimação de fatores (reter um número de fatores maior do que o adequado)

2) a subestimação de fatores (reter um número de fatores menor que o adequado).

A superestimação de fatores retidos tende a produzir resultados não-parcimoniosos, baseados em construtos supérfluos, com reduzido ou inadequado poder explicativo. Do mesmo modo, a subestimação de fatores retidos resulta em perda significativa de informação.

O método denominado de Análise Paralelas (AP) tem se destacado por ter melhor acurácia na determinação do número de fatores a ser retido quando comparado a outros métodos (ex. Scree Plot, eigenvalue > 1., etc).

O que é a análise paralela?

A AP é um procedimento estatístico de simulação Monte-Carlo que consiste na construção aleatória de um conjunto hipotético de matrizes de correlação de variáveis, utilizando como base a mesma dimensionalidade (o mesmo número p de variáveis e o mesmo número n de sujeitos) do conjunto de dados reais (Damasio, 2012).

Por que esse método se destaca dos mais tradicionais?

A melhor acurácia da AP na determinação do número de fatores a ser retido se dá pelo fato de que a AP é uma técnica baseada em amostras, e não baseada na população, como é a técnica do eigenvalue > 1., diminuindo a probabilidade de uma retenção de fatores equivocada.

Apesar de sua melhor acurácia, esse método ainda não é amplamente conhecido pelos pesquisadores, em parte porque não se encontra incluído nos principais programas estatísticos. Para sua execução, podem-se utilizar alguns programas computacionais, tais como FACTOR,  JASP e pacote psych do R.

Gostou desse conteúdo? Precisa aprender Análise de dados? Faça parte da Psicometria Online Academy: a maior formação de pesquisadores quantitativos da América Latina. Conheça toda nossa estrutura aqui e nunca mais passe trabalho sozinho(a).

Bruno Figueiredo Damásio

Sou Psicólogo, mestre e doutor em Psicologia. Venho me dedicando à Psicometria desde 2007.

Fui professor e chefe do Departamento de Psicometria da UFRJ durante os anos de 2013 a 2020. Fui editor-chefe da revista Trends in Psychology, da Sociedade Brasileira de Psicologia (SBP) e Editor-Associado da Spanish Journal of Psychology, na sub-seção Psicometria e Métodos Quantitativos.

Tenho mais de 50 artigos publicados e mais de 5000 citações, nas melhores revistas nacionais e internacionais.

Compartilhe sua opinião sobre este post

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts sugeridos

Quais pacotes usar na análise fatorial exploratória no R?

Glossário de Análise Fatorial Exploratória

Vantagens da TRI sobre a Teoria Clássica dos Testes

Conteúdo

Mais lidos

O que é regressão linear simples?

O que é correlação de Pearson?

O que é o teste de Shapiro-Wilk?

Teste t de Student

Postados recentemente

Curso R para Iniciantes

Como criar gráficos no R com o ggplot2?

Quais pacotes usar na análise fatorial exploratória no R?

Como reestruturar o formato do banco de dados no R?

Deseja se tornar completamente autônomo e independente na análise dos seus dados?

Junte-se a mais de 22.300 membros e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Bruno Figueiredo Damásio

Sou Psicólogo, mestre e doutor em Psicologia. Venho me dedicando à Psicometria desde 2007.

 

Fui professor e chefe do Departamento de Psicometria da UFRJ durante os anos de 2013 a 2020. Fui editor-chefe da revista Trends in Psychology, da Sociedade Brasileira de Psicologia (SBP) e Editor-Associado da Spanish Journal of Psychology, na sub-seção Psicometria e Métodos Quantitativos.

 

Tenho mais de 50 artigos publicados e mais de 5000 citações, nas melhores revistas nacionais e internacionais. Atualmente, me dedico a formação de novos pesquisadores, através da Psicometria Online Academy. Minha missão é ampliar a formação em Psicometria no Brasil e lhe auxiliar a conquistar os seus objetivos profissionais.

Compartilhe sua opinião sobre este post

Posts sugeridos

Quais pacotes usar na análise fatorial exploratória no R?

Glossário de Análise Fatorial Exploratória

Vantagens da TRI sobre a Teoria Clássica dos Testes

Categorias