O seu Blog de Psicometria

Tenha acesso à nossa enciclopédia virtual de conhecimento em Psicometria e Análise de Dados

Junte-se a mais de 22.300 membros e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Compartilhe nas Redes Sociais

Análise Fatorial Exploratória ou Análise Fatorial Confirmatória: Qual escolher?

Nesse post, discutimos quando utilizar uma análise fatorial exploratória e uma análise fatorial confirmatória.

Bruno Damásio

mar 4, 2023

Análise fatorial exploratória e análise fatorial confirmatória são técnicas que têm o objetivo de encontrar a estrutura subjacente de uma série de itens de um questionário ou escala.

A análise fatorial exploratória é uma técnica exploratória, e o software irá encontrar o melhor número de fatores e quais itens fazem parte de cada um dos fatores, por meio do padrão de correlação dos itens. O termo “exploratória” advém do fato de que o pesquisador não escolhe nada do modelo, como o número de fatores ou quais itens fazem parte de cada um dos fatores. O programa é livre para encontrar essa estrutura.

Já na análise fatorial confirmatória, o pesquisador precisa estipular a priori quantos fatores tem o instrumento e quais itens fazem parte de cada um desses fatores. Neste sentido, o termo “confirmatória” advém do fato de que o programa irá tentar confirmar a estrutura proposta pelo pesquisador.

A grande dúvida, entretanto, é sobre qual procedimento escolher.

Análise Fatorial Exploratória ou Análise Fatorial Confirmatória: Qual escolher?

Em geral, utilizamos a análise fatorial exploratória quando estamos diante de um instrumento novo, ou quando não temos evidências fortes sobre a estrutura da medida em outras amostras, ou ainda quando a estrutura fatorial do instrumento se demonstrou instável em outras pesquisas e não temos segurança sobre o modelo.

Nesse caso, tendemos a realizar uma análise fatorial exploratória para ver como os dados se agrupam na nossa amostra.

Por outro lado, utilizamos a análise fatorial confirmatória quando queremos confirmar uma estrutura teórica pré-existente, derivada de pesquisas anteriores. Além disso, a análise fatorial confirmatória também pode ser usada para testar modelos concorrentes. Ou seja, quando a literatura apresenta mais de uma solução fatorial, é possível realizar a análise fatorial confirmatória para avaliar a plausibilidade das diferentes estruturas em sua amostra.

Em síntese, deve-se usar a análise fatorial exploratória quando há nenhuma ou pouca evidência sobre a estrutura da medida. Por outro lado, deve-se optar pela análise fatorial confirmatória quando já há evidências que mostrem um caminho a ser testado.

Para finalizar este post, gostaria de responder a uma pergunta que recebo com frequência:

“Estou criando uma medida nova, posso realizar uma análise fatorial confirmatória direto?”

A resposta é que essa prática é pouco usual.

Embora seja provável que você tenha uma estrutura hipotética, que foi utilizada para criar os itens, em geral, coloca-se essa estrutura à prova por meio da análise fatorial exploratória, pois não há evidências empíricas ainda se essa estrutura realmente irá funcionar e se é a mais adequada para os dados.

Se optar por fazer uma análise fatorial confirmatória, eventualmente pode-se obter bons índices de ajuste, atestando a plausibilidade do modelo, mas fica-se sem informações sobre se a análise fatorial exploratória poderia encontrar uma estrutura diferente e eventualmente mais adequada do que a testada via análise confirmatória.

Para ler mais sobre o tema, veja o artigo abaixo.

Orcan, F. (2018). Exploratory and confirmatory factor analysis: Which one to use first. Journal of Measurement and Evaluation in Education and Psychology, 9(4), 414-421https://dergipark.org.tr/en/download/article-file/608228

Gostou desse conteúdo? Precisa aprender Análise de dados? Faça parte da Psicometria Online Academy: a maior formação de pesquisadores quantitativos da América Latina. Conheça toda nossa estrutura aqui e nunca mais passe trabalho sozinho(a).

Bruno Figueiredo Damásio

Sou Psicólogo, mestre e doutor em Psicologia. Venho me dedicando à Psicometria desde 2007.

Fui professor e chefe do Departamento de Psicometria da UFRJ durante os anos de 2013 a 2020. Fui editor-chefe da revista Trends in Psychology, da Sociedade Brasileira de Psicologia (SBP) e Editor-Associado da Spanish Journal of Psychology, na sub-seção Psicometria e Métodos Quantitativos.

Tenho mais de 50 artigos publicados e mais de 5000 citações, nas melhores revistas nacionais e internacionais.

Compartilhe sua opinião sobre este post

Uma resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts sugeridos

Quais pacotes usar na análise fatorial exploratória no R?

Glossário de Análise Fatorial Exploratória

Vantagens da TRI sobre a Teoria Clássica dos Testes

Conteúdo

Mais lidos

O que é regressão linear simples?

O que é correlação de Pearson?

O que é o teste de Shapiro-Wilk?

Teste t de Student

Postados recentemente

Curso R para Iniciantes

Como criar gráficos no R com o ggplot2?

Quais pacotes usar na análise fatorial exploratória no R?

Como reestruturar o formato do banco de dados no R?

Deseja se tornar completamente autônomo e independente na análise dos seus dados?

Junte-se a mais de 22.300 membros e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Bruno Figueiredo Damásio

Sou Psicólogo, mestre e doutor em Psicologia. Venho me dedicando à Psicometria desde 2007.

 

Fui professor e chefe do Departamento de Psicometria da UFRJ durante os anos de 2013 a 2020. Fui editor-chefe da revista Trends in Psychology, da Sociedade Brasileira de Psicologia (SBP) e Editor-Associado da Spanish Journal of Psychology, na sub-seção Psicometria e Métodos Quantitativos.

 

Tenho mais de 50 artigos publicados e mais de 5000 citações, nas melhores revistas nacionais e internacionais. Atualmente, me dedico a formação de novos pesquisadores, através da Psicometria Online Academy. Minha missão é ampliar a formação em Psicometria no Brasil e lhe auxiliar a conquistar os seus objetivos profissionais.

Compartilhe sua opinião sobre este post

Posts sugeridos

Quais pacotes usar na análise fatorial exploratória no R?

Glossário de Análise Fatorial Exploratória

Vantagens da TRI sobre a Teoria Clássica dos Testes

Categorias