O seu Blog de Psicometria

Tenha acesso à nossa enciclopédia virtual de conhecimento em Psicometria e Análise de Dados

Junte-se a mais de 22.300 membros e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Compartilhe nas Redes Sociais

Bridge symptoms: Como investigar a interação entre psicopatologias por meio da análise de rede

Alex França

dez 13, 2022

As abordagens de rede envolvem a identificação dos componentes do sistema (nós da rede) e as relações entre eles (ligações entre os nós). Depois que os nós e links são identificados e uma rede construída, pode-se estudar sua topologia usando ferramentas descritivas da ciência de rede. Por exemplo, pode-se descrever a topologia global de uma rede ou a posição de nós individuais dentro da rede (por exemplo, avaliando a centralidade do nó) e os clusters (comunidades de nós) formados.

Na abordagem em rede da psicopatologia, o fenômeno da comorbidade pode ser entendido como diferentes agrupamentos de sintomas fortemente ligados, alguns dos quais conectam dois (ou mais) agrupamentos. Quando dois sintomas que pertencem a dois clusters diferentes são conectados, isso forma uma ponte (bridge), que representa um mecanismo fundamental para entender a comorbidade.

De fato, a presença de uma ponte aumenta a chance de que a ativação de sintomas dentro de um cluster se espalhe e, eventualmente, ative outro cluster de sintomas. Por exemplo, o cluster de ansiedade (com vários sintomas físicos, processos cognitivos e evitação comportamental como nós) pode não captar suficientemente a psicopatologia do indivíduo, até que um cluster de depressão seja adicionado à rede, consistindo em sentimentos de tristeza, inutilidade e solidão, que estão associadas umas às outras. Nesta rede, pode haver, por exemplo, uma co-ocorrência frequente de evitação comportamental (ansiedade) e sentimentos de solidão (depressão), ligando efetivamente os dois grupos de sintomas.

Nathan Van den Bergh e colegas (2020) veio com a ideia de investigar a força da relação entre o nó de um transtorno mental e outro dentro da mesma rede. Os autores investigaram o nível de força da ponte (bridge strength) e a influência esperada da ponte (bridge expected influence) de cada sintoma. A força da ponte foi definida como a soma do valor absoluto de todas as arestas que existem entre um nó A e todos os nós que não estão na mesma comunidade que o nó A, enquanto a influência esperada da ponte é um índice semelhante, mas considera a soma do valor (não absoluto) de todas as arestas.

Por meio desses índices, os autores puderam aferir quais sintomas funcionam como pontes entre cada par dos clusters mencionados e quais sintomas de uma comunidade estão mais fortemente conectados com os sintomas de outra comunidade, o que ajuda a melhorar entender sua comorbidade e influências recíprocas.

Além disso, os autores destacam que identificação dessas pontes em psicopatologia é altamente informativa, pois pode ajudar a esclarecer os sintomas que colocam os pacientes em risco de comorbidade e, portanto, é importante monitorar ou mesmo direcionar diretamente na prática clínica.

Gostou desse conteúdo? Precisa aprender Análise de dados? Faça parte da Psicometria Online Academy: a maior formação de pesquisadores quantitativos da América Latina. Conheça toda nossa estrutura aqui e nunca mais passe trabalho sozinho(a).

Referência: Van den Bergh, N., Marchetti, I. & Koster, E.H.W. Bridges over Troubled Waters: Mapping the Interplay Between Anxiety, Depression and Stress Through Network Analysis of the DASS-21. Cogn Ther Res 45, 46–60 (2021). https://doi.org/10.1007/s10608-020-10153-w

Bruno Figueiredo Damásio

Sou Psicólogo, mestre e doutor em Psicologia. Venho me dedicando à Psicometria desde 2007.

Fui professor e chefe do Departamento de Psicometria da UFRJ durante os anos de 2013 a 2020. Fui editor-chefe da revista Trends in Psychology, da Sociedade Brasileira de Psicologia (SBP) e Editor-Associado da Spanish Journal of Psychology, na sub-seção Psicometria e Métodos Quantitativos.

Tenho mais de 50 artigos publicados e mais de 5000 citações, nas melhores revistas nacionais e internacionais.

Compartilhe sua opinião sobre este post

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts sugeridos

Como lidar com os pressupostos da Análise de Variância (ANOVA)?

Qual é a diferença entre covariância e correlação?

Diferenças entre Modelos Lineares e Modelos Lineares Generalizados (GLMs)

Conteúdo

Mais lidos

O que é regressão linear simples?

O que é correlação de Pearson?

O que é o teste de Shapiro-Wilk?

Teste t de Student

Postados recentemente

Curso R para Iniciantes

Como criar gráficos no R com o ggplot2?

Quais pacotes usar na análise fatorial exploratória no R?

Como reestruturar o formato do banco de dados no R?

Deseja se tornar completamente autônomo e independente na análise dos seus dados?

Junte-se a mais de 22.300 membros e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Bruno Figueiredo Damásio

Sou Psicólogo, mestre e doutor em Psicologia. Venho me dedicando à Psicometria desde 2007.

 

Fui professor e chefe do Departamento de Psicometria da UFRJ durante os anos de 2013 a 2020. Fui editor-chefe da revista Trends in Psychology, da Sociedade Brasileira de Psicologia (SBP) e Editor-Associado da Spanish Journal of Psychology, na sub-seção Psicometria e Métodos Quantitativos.

 

Tenho mais de 50 artigos publicados e mais de 5000 citações, nas melhores revistas nacionais e internacionais. Atualmente, me dedico a formação de novos pesquisadores, através da Psicometria Online Academy. Minha missão é ampliar a formação em Psicometria no Brasil e lhe auxiliar a conquistar os seus objetivos profissionais.

Compartilhe sua opinião sobre este post

Posts sugeridos

Como lidar com os pressupostos da Análise de Variância (ANOVA)?

Qual é a diferença entre covariância e correlação?

Diferenças entre Modelos Lineares e Modelos Lineares Generalizados (GLMs)

Categorias